lunes, 28 de marzo de 2011

Voces de E.U. y Canadá también dicen no IMPORTANTE LEE Y PASA – EN –IT - BR

El abogado estadounidense se pegó un viaje de 7.600 kilómetros desde Madison (Wisconsin) hasta Bucaramanga (Colombia) pero no pudo cumplir su propósito de ser escuchado en la Audiencia Pública sobre minería en el Páramo de Santurbán que se llevó a cabo el 4 de marzo en Cenfer.

Por Pastor Virviescas Gómez

pavirgom@unab.edu.coEsta dirección electrónica esta protegida contra spambots. Es necesario activar Javascript para visualizarla

Sin embargo, este ex profesor de la Universidad de los Andes y representante de cinco organizaciones no gubernamentales de Estados Unidos y Canadá, le dijo a 15 que no sólo se oponen a que Minambiente le otorgue licencia ambiental a la multinacional Greystar, sino que desde Norteamérica esas ONG realizarán toda la presión y el cabildeo posibles para que esto no suceda.

Y es que la Red de Solidaridad con Colombia -Colombia Support Network, de la cual es presidente Laun-, Center for Alternative Mining Development Policy, Council on Hemispheric Affairs, Mining Watch Canada Mines Alerte Latin American y Caribbean and Iberian Studies, están preocupadas por lo que Greystar tiene proyectado hacer en Santurbán. “Conociendo lo que se ha visto en otros países del mundo, incluyendo la región de Los Apalaches en Estados Unidos, minería a cielo abierto y en un páramo son dos cosas que no se deben hacer porque el resultado es un desastre y sólo quedan destrozos que van a requerir cientos y hasta miles de años para poder recuperar la naturaleza”.

Les aterra -dice- que uno de los  argumentos de la Greystar sea que uno de sus accionistas es la Corporación Financiera Internacional, adscrita al Banco Mundial. “No sé cómo el BM se atreve a hacer eso”, recalca.

¿Pero si ustedes son estadounidenses y canadienses por qué razón se angustian por algo que puede pasar en la remota Colombia?

Somos parte de un mundo y realmente tenemos que preocuparnos por este nuevo capítulo de la historia. Parte de lo que hemos hecho desde hace veinte años es seguir de cerca el desempeño de las empresas de Estados Unidos en Colombia y buscar una mejor política del Gobierno de Washington hacia Colombia, porque no puede ser que vengan a extraer las riquezas, dañando el medio ambiente y pagando muy pocas regalías. El grueso de la riqueza debe ser para los colombianos, que están en su derecho.

¿No les da miedo que los cataloguen como enemigos del desarrollo o hasta aliados del terrorismo?

Yo llevo más de veinte años en este trabajo. Hemos hablado con los embajadores de Estados Unidos en Colombia y ellos nos conocen. Ellos conocen de cerca nuestras organizaciones, somos muy abiertos y no tenemos secretos. Los lectores de 15 pueden entrar a nuestra página web www.colombiasupport.net. Tampoco favorecemos a la guerrilla. Por el contrario, hemos criticado bastante a las FARC y al ELN por su forma de actuar. Sí estamos de acuerdo con los pueblos en defender los recursos naturales que tienen y en su derecho de vivir una vida bien llevada.

¿Qué pensaban decir en la Audiencia Pública?

Que nos preocupan muchísimo los planes de Greystar porque la minería a cielo abierto en páramo es algo que nunca ha resultado bien para la gente que vive en el sector. El caso de Santurbán es especial porque Greystar como parte de su trabajo va a quitar una parte de la tierra y eso allí es lo que ayuda a producir agua y nada menos que el agua que se usa en Bucaramanga, Cúcuta y otras veinte municipalidades. También planean usar 250 mil litros de agua por hora durante su operación. ¿De dónde va a venir esa agua? ¿Cómo se va a destruir esta fuente de agua? Esta es una idea que no tiene sentido.

Además, el Gobierno de Colombia no tiene criterios suficientes para medir los efectos. También hay que tener reglas y aplicarlas. La Ley 1382 dice que no se puede hacer minería a cielo abierto en páramo y Santurbán lo es, entonces por qué no se aplica la ley.

Ahora bien, hay un asunto igual de delicado y es que esta es una región de altísima actividad sísmica. ¿Cómo van a permitir una operación de maquinaria y explosivos de tal magnitud en unas tierras que son tan inestables? El día anterior a la Audiencia se presentó una avalancha que dejó tres muertos y cinco casas destruidas precisamente en la quebrada Angostura, lo cual es una advertencia de la naturaleza de que el proyecto de la Greystar no vale la pena, porque es muy peligroso y no se debe hacer.

Nos preocupa también el uso del cianuro sódico, así no llegue directamente al agua de Bucaramanga.

Si el proyecto minero Angostura no estuviera localizado en Colombia sino en Canadá, ¿tendría futuro?

¡De ninguna forma! Canadá también enormes recursos de oro y plata en su territorio, ¿entonces por qué no montan esa explotación allá? La respuesta es obvia: no se puede porque hay leyes que así lo prohíben y menos tratándose de un sector de tan grande valor para el medio ambiente como un páramo. Como no lo pueden hacer en Canadá, entonces se vienen para Santander.

Pero la Greystar ha dicho que hará una inversión multimillonaria, que en la etapa de construcción ofrecerá 7.000 empleos directos e indirectos, que en la etapa de producción 5.000 empleos, y en los próximos 15 años va a aportar al Estado colombiano alrededor de 2.000 millones de dólares incluidos impuestos y regalías.

Eso lo hemos estudiado. Ellos citan en sus informes el ejemplo del Cerrejón. ¿Piensan que es un ejemplo de algo positivo para Colombia? Yo conozco a unos indígenas wayúu que nos mostraron lo que pasó con su comunidad, a quienes desarraigaron, sin hablar de los enormes camiones que dañan las vías y los destrozos que dejan.

En términos de empleo, hemos hablado con personal de la Drummond que ha reconocido que al principio sí tienen empleados locales, pero que después de cierto tiempo no contrataron a obreros rasos sino a especialistas que vinieron del extranjero a hacer el trabajo. Claro que necesitan señoras para servir café o recoger la basura, pero no en tal proporción que se pueda afirmar que pueblos como Suratá, California, Vetas, Berlín y Matanza vayan a vivir de eso.

¿Cómo se explica que hayan venido a la Audiencia varios buses repletos de campesinos de esos pueblos a respaldar a la Greystar?

Yo los entiendo por el abandono en que durante décadas los ha mantenido el Estado colombiano, pero es el Gobierno y no la Greystar quien debe cumplir su responsabilidad de brindar educación, salud, vías de comunicación, infraestructura y trabajo. De lo que se trata es que el Estado haga lo que tiene que hacer.

¿Qué presión pueden hacer ustedes desde Estados Unidos y Canadá?

Enviaremos miles de cartas al Ministerio del Medio Ambiente expresándole nuestra oposición al Proyecto Angostura. También pediremos reuniones con funcionarios del Gobierno colombiano y con gente de nuestra embajada para decirles que esto es algo que no se debe hacer.

¿Cuál ha sido la reacción de los indígenas en Estados Unidos y Canadá?

Los indígenas en todas partes son muy solidarios. Exxon Mobil tenía un proyecto de minería para el Estado de Wisconsin en las proximidades de unas tierras indígenas, y un líder wayúu fue, les explicó lo que significaba un proyecto de ese tipo y lo que se había visto en Colombia. La gente en Estados Unidos reaccionó de tal forma que se derrotó el proyecto. Finalmente los indígenas compraron las tierras y se comprometieron a que allí nunca habrá minas y punto.

¿Qué sucede si MinAmbiente le otorga la licencia ambiental a la Greystar?

Por ningún motivo vamos a parar la campaña, y seguiremos analizando los efectos. Yo no entiendo como una persona que tenga uso de la razón diga que va a seguir adelante con el Proyecto Angostura. ¿Qué pasa si les dan la licencia y ocurre una temporada fuerte de lluvias, un terremoto, una avalancha y se revientan las piscinas de lixiviados? ¿Van a desocupar Bucaramanga? Los efectos serían catastróficos y por eso apoyamos a las organizaciones no gubernamentales, ambientalistas, Fenalco, Sociedad Santandereana de Ingenieros, Sociedad de Mejoras Públicas y a todos los ciudadanos que dicen ‘Sí al agua, no al oro’.

Debo advertir también que Greystar tiene apenas un proyecto de explotación en el mundo, que es este de Angostura, ¿y qué pasa si el proyecto falla? Ellos están experimentando y si hay un desastre quién paga. Sus acciones han caído en los últimos días y sus accionistas están mirando con cuidado el asunto. En el caso de Greystar no existe ni siquiera la solidez que puede tener una empresa como Exxon, que tiene proyectos en todas partes del mundo.

¿Por qué cerrarle las puertas al desarrollo?

No es cerrarlas, pero tiene que ser un desarrollo sensato, y este es un proyecto muy peligroso.

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

 

The U.S. attorney make a journey of 7,600 miles from Madison (Wisconsin) to Bucaramanga (Colombia) but could not fulfill its purpose of being heard at the Public Hearing on mining in the Desert of Santurbán which took place on 4 March Cenfer.
By Pastor Gómez Virviescas
pavirgom@unab.edu.coEsta email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it
However, this former professor at Andes University and representative of five nongovernmental organizations in the United States and Canada, told 15 that not only preclude Minambiente environmental license granted to the multinational Greystar, but from North America these NGOs made all the pressure and lobbying that this can not happen.
And is that the Network in Solidarity with Colombia-Colombia Support Network, which is Laun-President, Center for Alternative Mining Development Policy, Council on Hemispheric Affairs, Mining Watch Canada Mines Alerte Caribbean and Latin American and Iberian Studies, are concerned Greystar is planning what to do in Santurbán. "Knowing what has been seen in other countries, including the Appalachian region of the United States, open-pit mining in the wilderness are two things that should not be done because the result is a disaster and destruction that are only will require hundreds or even thousands of years for nature to recover. "
He says they are terrified that one of the arguments Greystar is that one of its shareholders is the International Finance Corporation, attached to the World Bank. "I do not know how the BM dare to do that," he recalls.

But if you are American and why Canadians are distressed by anything that can happen in remote Colombia?
We are part of a world and we really have to worry about this new chapter of history. Part of what we have done for twenty years is to monitor the performance of U.S. companies in Colombia and seek a better policy by Washington to Colombia, because it might come to extract the wealth, damaging the environment environment and very few paying royalties. The bulk of the wealth should be for Colombians, which is their right.
Are not you afraid that the enemies of development cataloged or even allies of terrorism?
I've been over twenty years in this job. We spoke with U.S. ambassador in Colombia and they know us. They know about our organizations, we are very open and we have no secrets. Readers of 15 can enter our website www.colombiasupport.net. Nor favor the guerrillas. On the contrary, we criticized enough to the FARC and the ELN for his acting. Yes we agree with the people in defending the natural resources they have and their right to live a life well led.

What did that at the Public Hearing?
That we care deeply about Greystar plans for open pit mining in wilderness is something that has never been good for the people living in the sector. The case is special because Greystar Santurbán as part of their work will remove a portion of the land and that there is what helps to produce water and nothing less than the water used in Bucaramanga, Cúcuta and twenty other municipalities. They also plan to use 250 thousand liters of water per hour during operation. Where will this water come? How are you going to destroy this source of water? This is an idea that makes no sense.
In addition, the Government of Colombia does not have sufficient criteria to measure the effects. We must also have rules and enforce them. The 1382 Act says you can not make open-pit mining in wilderness and Santurbán it is, then why not apply the law.
Now there are just as sensitive an issue is that this is a region of high seismic activity. How will allow operation of machinery and explosives of such magnitude in a land that is so unstable? The day before the hearing was presented an avalanche that killed three people and destroyed five houses in the gorge just Angostura, which is a warning of the nature of the project Greystar not worth it, because it is very dangerous and not be done.
We are also concerned the use of sodium cyanide and not get water directly to Bucaramanga.

Angostura If the mining project was not located in Colombia but in Canada, would future?
No way! Canada also huge resources of gold and silver in their territory, so why not ride this exploitation there? The answer is obvious: you can not because there are laws that prohibit and less so in a sector of such great value to the environment as a wasteland. As they can not do in Canada, then come to Santander.
But Greystar has said it will make a multimillion-dollar investment, which in the construction phase will provide 7,000 direct jobs and indirect, in the production stage, 5,000 jobs, and in the next 15 years will provide the Colombian government about 2,000 million dollars included taxes and royalties.
That we have studied. They cite in their reports the example of Cerrejón. Do you think that is an example of a good thing for Colombia? I know some indigenous Wayuu showed us what happened to their community, who uprooted, not to mention the huge trucks that damage roads and the destruction they leave behind.
In terms of employment, we spoke with Drummond staff who has acknowledged that at first they do have local employees, but after a while no ceilings but workers hired specialists who came from abroad to do the job. Of course I need ladies for coffee or picking up trash, but not in such quantities that can say that people like Surata, California, streaks, Berlin and Slaughter are to live it.

How do you explain that you've come to the hearing several buses filled with peasants of these peoples to support the Greystar?
I understand the neglect that for decades has kept the Colombian state, but the Government and not Greystar who must fulfill their responsibility to provide education, health, roads, infrastructure and employment. Of what it is that the state do what to do.

What pressure can you do from the U.S. and Canada?
Send thousands of letters to the Ministry of the Environment to express our opposition to the Angostura Project. Also ask for meetings with Colombian government officials and people from our embassy to tell them that this is something that should not be done.

What was the reaction of the Indians in the U.S. and Canada?
Indigenous people everywhere are very supportive. Exxon Mobil had a mining project for the State of Wisconsin in the vicinity of few indigenous lands, and a Wayuu leader was, he explained what it meant such a project and what was seen in Colombia. People in the U.S. reacted in such a way as to defeat the project. Finally the Indians bought the land and pledged that there will never be mine, period.

What if Minambiente environmental license granted to the Greystar?
Under no circumstances we will stop the campaign and will continue to analyze the effects. I do not understand how a person who has use of reason says it will continue the Angostura Project. What happens if they get the license and takes a strong season of rains, an earthquake, flood and burst leachate pools? Are they going to vacate Bucaramanga? The effects would be catastrophic and that is why we support non-governmental organizations, environmentalists, Fenalco Santander Society of Engineers, Society of Public Improvements and all citizens who say 'yes' to the water, not gold. "
I also note that Greystar is just a mining project in the world, which is east of Angostura, and what happens if the project fails? They are experiencing and if there is a disaster who pays. Its shares have fallen in recent days and shareholders are watching the issue carefully. Greystar For there is not even the strength that can have a company like Exxon, which has projects all over the world.
Why close the door to development?
Not close, but it has to be a sensible development, and this is a very dangerous project.

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

O advogado dos EUA atingiu uma viagem de 7.600 quilômetros de Madison (Wisconsin) para Bucaramanga (Colômbia), mas não conseguiu cumprir seu objetivo de serem ouvidos em audição pública sobre a mineração no deserto de Santurbán que teve lugar em 04 de março Cenfer.
Por Gómez Pastor Virviescas
pavirgom@unab.edu.coEsta endereço de email está protegido contra spambots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo
No entanto, esse ex-professor na Universidade dos Andes e representativo de cinco organizações não-governamentais nos Estados Unidos e Canadá, disse 15 que não só impede Minambiente licença ambiental concedida à multinacional Greystar, mas da América do Norte essas ONGs fizeram toda a pressão eo lobby que isso não pode acontecer.
E é que a Rede de Solidariedade com a Colômbia ea Colômbia Support Network, que é Laun-presidente do Centro de Desenvolvimento de Políticas Alternativas de Mineração, do Conselho para Assuntos Hemisféricos, ver Mineração Minas Alerte Canadá Caribe e da América Latina e Estudos Ibéricos, estão preocupados Greystar está planejando o que fazer em Santurbán. "Sabendo o que foi visto em outros países, incluindo a região dos Apalaches dos Estados Unidos, minas a céu aberto no deserto são duas coisas que não deve ser feito porque o resultado é um desastre e destruição que só são exigirá centenas ou mesmo milhares de anos para a natureza se recuperar. "
Ele diz que eles estão com medo de que um dos argumentos Greystar é que um dos seus accionistas é o International Finance Corporation, ligado ao Banco Mundial. "Eu não sei como o BM se atrevem a fazer isso", lembra ele.
Mas se você é americano e os canadenses estão angustiados porque por qualquer coisa que pode acontecer na Colômbia remoto?
Somos parte de um mundo e nós temos realmente de se preocupar com este novo capítulo da história. Parte do que temos feito para 20 anos é monitorar o desempenho das empresas dos EUA na Colômbia e buscar uma melhor política de Washington para a Colômbia, porque ele pode vir a extrair a riqueza, prejudicando o meio ambiente meio ambiente e muito poucos pagando royalties. O grosso da riqueza deve ser para os colombianos, que é seu direito.
Você não tem medo de que os inimigos do desenvolvimento catalogadas ou mesmo aliados do terrorismo?
Eu tenho mais de 20 anos neste trabalho. Nós falamos com o embaixador dos EUA na Colômbia e eles nos conhecem. Eles sabem sobre as nossas organizações, nós somos muito abertos e não temos segredos. Leitores de 15 anos podem entrar no nosso site www.colombiasupport.net. Nem a favor da guerrilha. Pelo contrário, nós criticamos o suficiente para as FARC eo ELN para sua atuação. Sim, nós concordamos com o povo na defesa dos recursos naturais que temos e seu direito de viver uma vida bem conduzida.
O que queria na Audiência Pública?
Que nos preocupamos profundamente com planos Greystar para mineração a céu aberto no deserto é algo que nunca foi bom para as pessoas que vivem do sector. O caso é especial porque Greystar Santurbán como parte de seu trabalho vai remover uma parte da terra e que não é o que ajuda a produzir água e nada menos do que a água utilizada em Bucaramanga, Cúcuta e vinte outros municípios. Eles também planejam utilizar 250 mil litros de água por hora durante a operação. Onde é que essa água vem? Como você está indo para destruir esta fonte de água? Esta é uma ideia que não faz sentido.
Além disso, o Governo da Colômbia não tenha critérios suficientes para medir os efeitos. Devemos também ter regras e aplicá-las. A Lei 1382 diz que você não pode fazer a mineração a céu aberto no deserto e Santurbán é, então porque não aplicar a lei.
Agora existem apenas como uma questão sensível é que esta é uma região de alta atividade sísmica. Como vai permitir a operação de máquinas e explosivos dessa magnitude em uma terra que é tão instável? O dia antes da audiência, foi apresentada uma avalanche que matou três pessoas e destruiu cinco casas no desfiladeiro de Angostura apenas, que não é um aviso da natureza do projecto Greystar vale a pena, porque é muito perigoso e não ser feito.
Também estamos preocupados com a utilização de cianeto de sódio e não receber água diretamente para Bucaramanga.
Angostura Se o projeto de mineração não foi localizado na Colômbia, mas no Canadá, que futuro?
De jeito nenhum! O Canadá também enormes recursos de ouro e prata em seu território, então porque não montar essa exploração não? A resposta é óbvia: você não pode, pois existem leis que proíbem e menos em um setor de grande valor para o ambiente como um terreno baldio. Como eles não podem fazer no Canadá, então venha para o Santander.
Mas Greystar disse que vai fazer um investimento multimilionário, que na fase de construção irá fornecer 7.000 empregos diretos e indiretos, na fase de produção, 5.000 postos de trabalho, e nos próximos 15 anos irá fornecer o governo colombiano cerca de 2.000 milhões dólares incluídos impostos e royalties.
Que temos estudado. Eles citam, em seus relatórios o exemplo de Cerrejón. Você acha que é um exemplo de uma coisa boa para a Colômbia? Eu sei que alguns Wayuu indígenas nos mostrou o que aconteceu com sua comunidade, que arrancadas, para não mencionar os caminhões enormes prejuízos que as estradas ea destruição que deixam para trás.
Em termos de emprego, falamos com o pessoal que Drummond admitiu que no início eles têm empregados locais, mas depois de um tempo sem limites, mas os trabalhadores contratados especialistas que vieram do exterior para fazer o trabalho. É claro que eu preciso de Senhoras para o café ou recolher o lixo, mas não em quantidades que se pode dizer que as pessoas gostam Surata, Califórnia, estrias, Berlim e Slaughter estão a vivê-la.
Como você explica que você veio para o ônibus cheio de ouvir vários camponeses desses povos para apoiar a Greystar?
Eu entendo o descaso que durante décadas manteve o Estado colombiano, mas o Governo não Greystar e que deve cumprir sua responsabilidade de prover educação, saúde, estradas, infraestrutura e emprego. Do que é que o Estado faça o que fazer.
Que tipo de pressão que você pode fazer a partir de os EUA eo Canadá?
Envie milhares de cartas para o Ministério do Meio Ambiente de expressar a nossa oposição ao projeto de Angostura. Também pedimos para reuniões com funcionários do governo colombiano e as pessoas da nossa embaixada para lhes dizer que isto é algo que não deve ser feito.
Qual foi a reação dos índios em os EUA eo Canadá?
Os povos indígenas em todos os lugares são muito favoráveis. A Exxon Mobil teve um projeto de mineração para o Estado de Wisconsin, nos arredores de algumas terras indígenas, e um líder Wayuu era, ele explicou o que significava tal projeto e que foi visto na Colômbia. As pessoas em os EUA reagiram de tal forma a derrotar o projeto. Finalmente os índios comprou a terra e prometeu que não nunca vai ser meu, ponto final.
E se Minambiente licença ambiental concedida à Greystar?
Sob nenhuma circunstância vamos parar a campanha e vai continuar a analisar os efeitos. Eu não entendo como uma pessoa que tem o uso da razão diz que vai continuar o projeto Angostura. O que acontece se obter a licença e toma uma forte temporada de chuvas, um tremor de terra, inundações e piscinas lixiviados estourar? Eles estão indo para desocupar Bucaramanga? Os efeitos seriam catastróficos e é por isso que apoio a organizações não-governamentais, ambientalistas, Fenalco Santander Sociedade de Engenheiros, Sociedade de Melhoramentos Públicos e todos os cidadãos que dizem 'sim' à água, não de ouro. "
Noto também que Greystar é apenas um projeto de mineração do mundo, que fica a leste de Angostura, eo que acontece se o projeto falhar? Eles estão experimentando e se houver uma catástrofe que paga. Suas ações caíram nos últimos dias e os acionistas estão olhando a questão com cuidado. Greystar Pois não é mesmo a força que pode ter uma empresa como a Exxon, que tem projetos em todo o mundo.
Por que fechar a porta para o desenvolvimento?
Não é perto, mas tem que ser uma evolução sensível, e esse é um projeto muito perigoso.

***********************************************************************

L'avvocato americano ha fatto un viaggio di 7.600 miglia da Madison (Wisconsin) a Bucaramanga (Colombia), ma non ha potuto adempiere alla sua funzione di essere ascoltato in audizione pubblica sulle miniere, nel deserto del Santurbán che ha avuto luogo il 4 marzo Cenfer.
Di Gomez Pastor Virviescas
Indirizzo e-mail pavirgom@unab.edu.coEsta è protetto dallo spam bot. Abilita Javascript per vederlo
Tuttavia, questo ex professore presso l'Università delle Ande e rappresentante di cinque organizzazioni non governative negli Stati Uniti e in Canada, ha detto ai 15 che non solo preclude licenza ambientale Minambiente concesso alla multinazionale Greystar, ma dal Nord America queste ONG fatto tutte le pressioni e le pressioni politiche che questo non può accadere.
Ed è che la Rete di Solidarietà con Colombia-Colombia Support Network, che è riciclaggio-Presidente del Centro per l'alternativa politica dello sviluppo minerario, del Consiglio per gli affari emisferici, Mining Watch Canada Miniere Alerte dei Caraibi e dell'America Latina e Iberistica, sono interessati Greystar sta progettando cosa fare in Santurbán. "Conoscere ciò che è stato visto in altri paesi, compresa la regione degli Appalachi degli Stati Uniti, l'estrazione mineraria a cielo aperto nel deserto sono due cose che non dovrebbe essere fatto perché il risultato è un disastro e la distruzione che sono solo richiedono centinaia o addirittura migliaia di anni per la natura per recuperare. "
Lui dice che sono terrorizzati che uno degli argomenti Greystar è che uno dei suoi azionisti è la International Finance Corporation, allegata alla Banca mondiale. "Io non so come la BM il coraggio di farlo", ricorda.
Ma se siete americani e canadesi perché sono afflitti da tutto ciò che può accadere in Colombia a distanza?
Siamo parte di un mondo e dobbiamo veramente preoccupare di questo nuovo capitolo della storia. Parte di ciò che abbiamo fatto per venti anni è quello di monitorare le prestazioni delle imprese degli Stati Uniti in Colombia e cercare una migliore politica di Washington in Colombia, perché potrebbe venire a estrarre la ricchezza, danneggiando l'ambiente ambiente e pagando canoni molto pochi. La maggior parte della ricchezza dovrebbe essere per i colombiani, che è un loro diritto.
Non teme che i nemici dello sviluppo catalogate o addirittura alleati del terrorismo?
Sono stato più di venti anni in questo lavoro. Abbiamo parlato con l'ambasciatore Usa in Colombia e loro ci conoscono. Essi conoscono le nostre organizzazioni, siamo molto aperti e non abbiamo segreti. I lettori di 15 può entrare nel nostro www.colombiasupport.net sito. Né favorire la guerriglia. Al contrario, abbiamo criticato abbastanza per le FARC e l'ELN per la sua recitazione. Sì, siamo d'accordo con il popolo nella difesa delle risorse naturali che hanno e il loro diritto di vivere una vita ben condotto.
Che cosa ha a che l'audizione pubblica?
Che ci preoccupiamo profondamente sui piani Greystar per l'estrazione mineraria a cielo aperto nel deserto è qualcosa che non è mai stato un bene per la gente che vive nel settore. Il caso è speciale perché Greystar Santurbán come parte del loro lavoro sarà rimuovere una porzione del terreno e che non vi è ciò che aiuta la produzione di acqua e niente di meno che l'acqua utilizzata a Bucaramanga, Cúcuta e una ventina di altri comuni. Inoltre, prevede di utilizzare 250 mila litri di acqua all'ora durante il funzionamento. Dove sarà questa acqua venire? Come stai andando a distruggere questa fonte di acqua? Questa è un'idea che non ha senso.
Inoltre, il governo della Colombia non ha criteri sufficienti per misurare gli effetti. Dobbiamo anche avere regole e farle rispettare. Il 1382 legge dice che non si può fare miniere a cielo aperto nel deserto e Santurbán è, allora perché non applicare la legge.
Ora ci sono solo come un problema delicato è che questa è una regione ad alta attività sismica. Come si permettono il funzionamento di macchinari e di esplosivi di tale portata in una terra che è così instabile? Il giorno prima dell'udienza è stata presentata una valanga che ha ucciso tre persone e distrutto cinque case nella gola appena Angostura, che non è un avvertimento della natura del progetto Greystar vale la pena, perché è molto pericoloso e non essere fatto.
Siamo anche preoccupati per l'uso del cianuro di sodio e di non prendere l'acqua direttamente a Bucaramanga.
Angostura Se il progetto di data mining non si trovava in Colombia ma in Canada, sarebbe il futuro?
Non è possibile! Canada anche ingenti risorse di oro e argento nel loro territorio, quindi perché non cavalcare questo sfruttamento lì? La risposta è ovvia: non si può perché ci sono leggi che proibiscono e meno in un settore di così grande valore per l'ambiente come un deserto. Poiché non si può fare in Canada, poi vengono a Santander.
Ma Greystar ha detto che farà un investimento di molti milioni di dollari, che in fase di costruzione offrirà 7.000 posti di lavoro diretti e indiretti, in fase di produzione, 5.000 posti di lavoro, e nei prossimi 15 anni garantirà il governo colombiano di circa 2.000 milioni di euro dollari, incluso tasse e royalties.
Che abbiamo studiato. Essi citano nelle loro relazioni l'esempio della Cerrejon. Pensi che è un esempio di una buona cosa per la Colombia? So che alcuni indigeni Wayuu ci ha mostrato quello che è successo alla loro comunità, che sradicati, per non parlare dei camion enormi che le strade danno e la distruzione si lasciano alle spalle.
In termini di occupazione, abbiamo parlato con il personale Drummond, che ha riconosciuto che in un primo momento si dispone di impiegati locali, ma dopo un po 'né soffitti, ma lavoratori assunti specialisti che sono venuti dall'estero per fare il lavoro. Naturalmente ho bisogno di donna per un caffè o raccogliere spazzatura, ma non in quantità tali che si può dire che gente come Surata, California, striature, Berlino e Slaughter sono di viverla.
Come si spiega che è venuto a sentire diversi gli autobus pieni di contadini di questi popoli per sostenere la Greystar?
Capisco la negligenza che per decenni ha mantenuto lo stato colombiano, ma il governo non e Greystar che devono assumersi la loro responsabilità di fornire istruzione, sanità, strade, infrastrutture e occupazione. Di che cosa è che lo Stato non cosa fare.
Che cosa si può fare pressione degli Stati Uniti e Canada?
Inviare migliaia di lettere al ministero dell'Ambiente per esprimere la nostra opposizione al progetto di Angostura. Chiedete anche per incontri con funzionari del governo colombiano e la gente dalla nostra ambasciata a dire loro che questo è qualcosa che non dovrebbe essere fatto.
Quale fu la reazione degli indiani negli Stati Uniti e Canada?
I popoli indigeni in tutto il mondo sono molto favorevoli. Exxon Mobil aveva un progetto di data mining per lo Stato del Wisconsin in prossimità di alcune terre indigene, e un leader Wayuu è stato, ha spiegato cosa voleva dire un tale progetto e di quanto visto in Colombia. Persone negli Stati Uniti hanno reagito in modo per sconfiggere il progetto. Infine, gli indiani comprato il terreno e ha promesso che non ci sarà mai mio, punto.
Che cosa succede se Minambiente licenza ambientale concessa al Greystar?
In nessun caso ci si ferma la campagna e continuerà ad analizzare gli effetti. Io non capisco come una persona che ha uso di ragione, afferma che continuerà il Progetto Angostura. Cosa succede se ottengono la licenza e prende una stagione di forte pioggia, una, inondazioni e terremoti piscine percolato scoppiare? Stanno andando a liberare Bucaramanga? Gli effetti sarebbero catastrofici e per questo motivo abbiamo sostenere le organizzazioni non governative, gli ambientalisti, Fenalco Santander Società degli Ingegneri, Società di Pubblica Miglioramenti e tutti i cittadini che dicono 'sì' a l'acqua, non d'oro. "
Rilevo inoltre che Greystar è solo un progetto di data mining nel mondo, che è a est di Angostura, e cosa succede se il progetto fallisce? Essi stanno vivendo e se vi è un disastro che paga. Le sue azioni sono caduti negli ultimi giorni e gli azionisti stanno a guardare la questione con attenzione. Per Greystar non c'è neppure la forza che può avere una società come la Exxon, che ha progetti in tutto il mondo.
Perché chiudere la porta allo sviluppo?
Non chiudere, ma deve essere uno sviluppo ragionevole, e questo è un progetto molto pericoloso.