jueves, 10 de marzo de 2011

“Dejen los minerales dónde están, esa economía no le sirve a su país” CARBON CREDITS ITS THE FUTURE FOR US! CHECK THIS OUT! ES-EN-IT-BR

Graciela Chichilnisky, creadora del concepto de Mercados de Carbono e investigadora de la Universidad de Columbia (EE. UU). - Víctor Manuel Holguín/UnimediosPor: Carlos Andrey Patiño Guzmán, Unimedios

Graciela Chichilnisky, creadora del concepto de Mercados de Carbono e investigadora de la Universidad de Columbia (EE. UU). - Víctor Manuel Holguín/Unimedios

 

Indígenas Waorani, de Ecuador, saben que bajo sus pies hay 846 millones de barriles de petróleo,

Indígenas Waorani, de Ecuador, saben que bajo sus pies hay 846 millones de barriles de petróleo,

 

 

Lo dice la creadora de los Mercados de Carbono, Graciela Chichilnisky, quien invitó al Gobierno colombiano, al sector privado y hasta a la Bolsa de Bogotá, a sacarle el mayor provecho a la biodiversidad nacional, pero no destruyéndola en una economía extractiva, sino haciendo que el mundo le pague a Colombia por preservar ese patrimonio natural.

Que un país decida dejar el 20% de las reservas de petróleo enterradas y preservar para la humanidad un lugar invaluable, como es la selva amazónica, ¡uh! parece una ilusión en una sociedad sedienta de combustibles fósiles.
Lo cierto es que Ecuador sí le apostó a esta quimera, y hoy les está diciendo a los países ricos del planeta: “Tienen que pagarnos por cuidar los bosques que limpian la gigantesca contaminación que ustedes producen con dióxido de carbono”.
Así es, con la iniciativa Yasuní, el Estado ecuatoriano es pionero en crear una fórmula que privilegia el cuidado del ambiente sobre la explotación petrolera: se comprometió a dejar bajo tierra 856 mil millones de barriles de crudo en el parque nacional que lleva ese nombre.
Graciela Chichilnisky asegura que este es el mejor ejemplo de cómo funciona el mercado de carbono (MC), mecanismo creado por ella hace 18 años para disminuir las emisiones contaminantes al ambiente y que hace parte fundamental del Protocolo de Kioto sobre el cambio climático.
En su paso por la Universidad Nacional de Colombia, durante el Encuentro de Economía Ecológica, la experta de la Unesco y profesora de la Universidad de Columbia envió un mensaje que, literalmente, gritó a los dirigentes nacionales: “Dejen los minerales donde están, enterraditos, esa economía no le sirve a Colombia”.
A cambio, invitó a los sectores productivos del país y al Gobierno a utilizar el MC y aprovechar las ganancias que este puede producir por conservar la biodiversidad. UN Periódico habló con la experta de origen argentino.
UN Periódico: ¿El MC ha ayudado a reducir las emisiones de gases contaminantes?
Graciela Chichilnisky: Ha bajado la contaminación en Europa porque allá hay un MC que mueve USD$ 165 billones, y además han enviado USD$ 50 billones a países en desarrollo para generar proyectos de energía limpia. Sí está funcionando, pero no en todo el mundo porque está por fuera Estados Unidos, el mayor contaminante del planeta.
UNP: ¿Cuál es el problema con Estados Unidos?
GC: Ellos firmaron porque creían que solo era pagar por emitir gases y ya, pero el MC es más complejo que eso. Se dieron cuenta de que se creaban unos compromisos serios de reducción. Ellos no se pueden echar para atrás e ir en contra de las lógicas del mercado, concepto muy central en la mentalidad estadounidense, porque sería negar el hecho de que el mercado se mueve como sistema. Lo que pasa es que el MC funciona de forma distinta.
UNP: ¿Cuál es la diferencia entre un mercado de carbono y uno común?
GC: Un MC establece que no hay derechos de propiedad sobre la atmósfera porque es un bien público global. Esto significa que se crean límites de emisión de gases contaminantes, y un país puede usar la atmósfera solo hasta cierto punto, pues las demás naciones también la necesitan. En cambio, en un mercado común sí hay derechos de propiedad, por ejemplo la tierra. El MC existe en la medida en que se obligue a los países a respetar el ambiente. Otra diferencia es que el MC les pone límites a los países en desarrollo sobre el uso de la atmósfera.
UNP: Es decir, les permite contaminar. ¿Cuál es el sentido?
GC: Los países de América Latina, África y Asia necesitan desarrollarse tal como lo hicieron los países ricos, es su derecho, pero también quieren un desarrollo sostenible en el que se bajen las emisiones. Por eso apoyaron el Protocolo de Kioto. Sin embargo, a los países pobres les sale más rentable, ganan más si no contaminan y a cambio tienen un desarrollo limpio. La iniciativa Yasuní, en Ecuador, es un buen ejemplo. Yo colaboré con la redacción de uno de los capítulos. Lo que pasa es que es solo el interés de un país, mientras que el mercado de carbono y el Protocolo de Kioto, por ser leyes internacionales, crean obligaciones a los Estados.
UNP: Con el poder que tiene Estados Unidos, ¿cómo comprometerlo de lleno con el MC?
GC: De hecho, ellos no quisieron ratificar el Protocolo de Kioto porque no les convenía, pero el MC es un virus que se metió en los EE. UU. y no se pueden deshacer de él. Ahora obtienen ganancias con ese mercado. El pasado 3 de noviembre California votó un referendo en contra de la proposición 23 (por la cual se pretendía anular la Ley de Soluciones al Calentamiento Global de California – Global Warming Solutions Act). Con esa decisión popular se oficializó el MC en el estado más rico de la Unión.
UNP: Una de las críticas es que en la práctica el MC no obliga a los países industrializados a bajar las emisiones de gases efecto invernadero.
GC: Podría verse como que estamos dejando que los ricos paguen para poder matar a la abuelita. ¿Cómo podría funcionar así una sociedad? En el encuentro de Copenhague (2009) propuse crear un fondo de inversión para las compañías de las naciones ricas que produzcan energía de carbono negativo (sin contaminantes) en los países en desarrollo. Muchos dirán: “Es darle más plata a los ricos”. Yo respondo: “Sí, pero será dinero que generará procesos superlimpios en los países pobres”. Significa que a los sucios les saldrá muy caro contaminar porque la ley internacional los penaliza, mientras que a los limpios les llegarán más ganancias. Es la lógica del mercado de carbono. Estados Unidos presentó la propuesta como suya y de inmediato tuvo un éxito rotundo, pero lo aceptó desde su visión capitalista, de ganancia, por eso digo que el MC es un virus de doble cara. Ellos ven la cara que les conviene.
UNP: Colombia se encamina a ser un país principalmente minero, pero hay temor por los impactos sobre el ambiente ¿Cómo conciliar esos dos espacios y qué papel puede jugar el MC?
GC: Como mercado los minerales no son un buen negocio, ¡olvídense de ellos! No es la manera de avanzar e ingresar al mercado internacional, es una ocupación del siglo pasado que solo beneficia a unos pocos y que para el resto de la población solo trae perjuicios por los daños ambientales que se generan.
Hay cosas que sí puede hacer Colombia, como crear un mercado del agua similar al del carbono, y utilizar la Bolsa de Bogotá –que le está yendo muy bien– como un instrumento político. También tienen que meterse en el mercado de los biocombustibles, pero ¡ojo!, no en el de maíz, caña o en el de palma de aceite, ‘¡nou!, ¡nou!, ¡nou!’, sino en el de las algas, que son buenas captadoras de CO2 (dióxido de carbono) y crecen como locas.

Quieres cambiar las cosas?  visita este link

__________________________________________________________

Graciela Chichilnisky, creator of the concept of carbon markets and researcher at Columbia University (USA). - Victor Manuel Holguin / Unimedios
Graciela Chichilnisky, creator of the concept of carbon markets and researcher at Columbia University (USA). - Victor Manuel Holguin / Unimedios
Huaorani Indians of Ecuador, know that under her feet is 846 million barrels of oil
Huaorani Indians of Ecuador, know that under her feet is 846 million barrels of oil
"Let the minerals where they are, this economy does not serve his country"
By: Carlos Andrey Patiño Guzmán, Unimedios
He says the creator of the Carbon Market, Graciela Chichilnisky, who invited the Colombian government, the private sector and even the Bogota Stock Exchange, to get the most out of the country's biodiversity, but not destroying it in an extractive economy, but doing the world will pay to Colombia to preserve this natural heritage.
Whether a country decides to leave 20% of oil reserves buried and preserved for mankind a priceless, as is the Amazon jungle, uh! seems an illusion in a society thirsty for fossil fuels.
The truth is that he bet on himself Ecuador this dream and today is telling the rich countries of the world: "They have to pay us to take care of the huge forests that clean pollution you produce carbon dioxide."
So, with the Yasuni, Ecuador is a pioneer in creating a formula that favors the protection of the environment on oil exploration: it pledged to stop underground 856 billion barrels of oil in the national park of that name.
Graciela Chichilnisky says that this is the best example of how the carbon market (MC), a mechanism created by her 18 years to reduce emissions to the environment and is an essential part of the Kyoto Protocol on climate change.
During his tenure with the National University of Colombia, during the meeting of Ecological Economics, the Unesco expert and professor at Columbia University sent a message that literally shouted at the national leaders: "Let the minerals where they are, enterraditos , this economy does not serve Colombia. "
In return, invited the country's productive sectors and the Government to use the MC and use the profits that may result from conserving biodiversity. A newspaper spoke to the expert from Argentina.
A journalist: "The MC has helped reduce greenhouse gas emissions?
Graciela Chichilnisky, pollution has declined in Europe because there is an MC that moves U.S. $ 165 billion, and have also sent $ 50 billion to developing countries to generate clean energy projects. Yes is working, but not the entire world because it is outside the United States, the biggest polluter on the planet.
UNP: What's wrong with America?
GC: They signed because they believed it was only issued to pay for gas and now, but the MC is more complex than that. They realized that they were creating serious reduction commitments. They can not pull back and go against the logic of the market, very central concept in the American mentality, because it would deny the fact that the market moves as a system. What happens is that the MC works differently.
UNP: What is the difference between a carbon market and a common?
GC: A MC states that no ownership rights to the atmosphere because it is a global public good. This means that you create limits greenhouse gas emissions, and a country can use the atmosphere only to a point, because other nations also needed. In contrast, a common market itself is property rights, such as land. The MC exists as to oblige countries to respect the environment. Another difference is that the MC will set limits to developing countries on the use of the atmosphere.
UNP: That is, they can pollute. What is the meaning?
GC: The countries of Latin America, Africa and Asia need to be developed as did the rich countries is their right, they also want a sustainable development that lower emissions. So support the Kyoto Protocol. However, poor countries find it more profitable, earn more if they do not pollute and instead have a clean development. The Yasuni, Ecuador, is a good example. I helped with the writing of one chapter. What happens is that it is only the interest of a country, while the carbon market and the Kyoto Protocol, because international laws create obligations for States.
UNP: With the power of the United States, how deeply committed to the MC?
GC: In fact, they would not ratify the Kyoto Protocol because it did not suit them, but the MC is a virus that got into the U.S.. UU. and can not get rid of it. Now make a profit with this market. On 3 November a referendum in California voted against Proposition 23 (by which sought to nullify the Act's Global Warming Solutions California - Global Warming Solutions Act). With that decision was made official popular MC in the richest state in the Union.
UNP: One criticism is that in practice the MC does not require industrialized countries to lower emissions of greenhouse gases.
GC: It may look like we're letting the rich pay to kill Grandma. How could a society function like this? At the Copenhagen meeting (2009) set out to create an investment fund for companies in rich nations that produce carbon negative energy (without contaminants) in developing countries. Many will say: "It's giving more money to the rich." I reply: "Yes, but it will be money that will generate extra clean processes in poor countries." Means that the dirty they will contaminate expensive because international law penalizes them, while the more profit will clean them. It is the logic of the carbon market. The United States presented the proposal as his own and immediately was a resounding success, but he accepted from capitalist vision, gain, so I say that the MC virus is a double-sided. They see the face that suits them.
UNP: Colombia is heading to a country mainly mining, but there are fears about the impact on the environment How to reconcile these two areas and what role they can play the MC?
GC: As the mineral market is good business, forget about them! It is not the way forward and enter the international market, is an occupation of the last century that only benefits a few and for the rest of the population only brings harm to the environmental damage that is generated.
There are things you can do Colombia, such as creating a water market similar to that of carbon, and use the Bogota Stock Exchange, which is doing very well, as a political tool. They also have to get into the biofuel market, but beware, not corn, sugarcane or palm oil, 'nou!, Nou!, Nou!', But of the algae, which are good absorbers are CO2 (carbon dioxide) and grow like crazy.

DO YOU WANT TO SAVE THE PLANET? CHECK THIS OUT

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Graciela Chichilnisky, creatore del concetto di mercati del carbonio e ricercatore presso la Columbia University (USA). - Victor Manuel Holguin / Unimedios
Graciela Chichilnisky, creatore del concetto di mercati del carbonio e ricercatore presso la Columbia University (USA). - Victor Manuel Holguin / Unimedios
Indios Huaorani dell'Ecuador, sanno che sotto i suoi piedi é di 846 milioni di barili di petrolio
Indios Huaorani dell'Ecuador, sanno che sotto i suoi piedi é di 846 milioni di barili di petrolio
"Lasciate che i minerali dove sono, questa economia non servire il suo paese"
Con: Carlos Patiño Guzmán Andrey, Unimedios
Dice che il creatore del mercato del carbonio, Graciela Chichilnisky, che ha invitato il governo colombiano, il settore privato e anche Bogotá Stock Exchange, è ottenere il massimo della biodiversità del paese, ma non distruggendola in una economia estrattiva, ma facendo il mondo si paga in Colombia per conservare questo patrimonio naturale.
Se un paese decide di lasciare il 20% delle riserve di petrolio sepolto e conservato per l'umanità un inestimabile, è come la giungla amazzonica, uh! sembra un illusione, in una società assetata di combustibili fossili.
La verità è che ha scommesso su se stesso Ecuador questo sogno e oggi sta dicendo che i paesi ricchi del mondo:. "Devono pagare noi per prendersi cura delle grandi foreste che l'inquinamento pulito si produce anidride carbonica"
Così, con la Yasuni, l'Ecuador è un pioniere nella creazione di una formula che favorisce la tutela dell'ambiente di esplorazione di petrolio: si è impegnata a fermata della metropolitana 856 miliardi di barili di petrolio nel parco nazionale di tale nome.
Graciela Chichilnisky dice che questo è il miglior esempio di come il mercato del carbonio (MC), un meccanismo creato da lei 18 anni per ridurre le emissioni per l'ambiente ed è una parte essenziale del Protocollo di Kyoto sui cambiamenti climatici.
Durante il suo incarico con l'Università Nazionale della Colombia, nel corso della riunione di Ecological Economics, l'esperto Unesco e professore presso la Columbia University ha inviato un messaggio che ha letteralmente urlato al leader nazionali: "Lasciate che i minerali di cui sono, enterraditos , questa economia non serve Colombia ".
In cambio, ha invitato i settori produttivi del paese e il governo di utilizzare il MC e utilizzare i profitti che possono derivare dalla conservazione della biodiversità. Un giornale ha parlato con l'esperto da Argentina.
Un giornalista: "Il MC ha contribuito a ridurre le emissioni di gas serra?
Graciela Chichilnisky, l'inquinamento è diminuita in Europa, perché c'è un MC che si muove US $ 165 miliardi, e hanno anche inviato 50 miliardi dollari ai paesi in via di generare progetti di energia pulita. Si sta lavorando, ma non il mondo intero, perché è al di fuori degli Stati Uniti, il più grande inquinatore del pianeta.
UNP: Cosa c'è di sbagliato con l'America?
GC: Hanno firmato perché credevano fosse rilasciata solo a pagare per il gas e ora, ma il MC è più complesso di così. Si resero conto che stavano creando seri impegni di riduzione. Non possono tirare indietro e andare contro la logica del mercato, concetto centrale nella mentalità americana, perché sarebbe negare il fatto che il mercato si muove come sistema. Quello che succede è che il MC funziona in modo diverso.
UNP: Qual è la differenza tra un mercato del carbonio e di un comune?
GC: Un MC afferma che nessun diritto di proprietà per l'atmosfera perché è un bene pubblico globale. Questo significa che si crea limiti di emissioni di gas serra, e un paese può utilizzare l'atmosfera solo a un punto, perché le altre nazioni anche necessario. Al contrario, un mercato comune è di per sé diritti di proprietà, come i terreni. Il MC esiste come per obbligare i paesi a rispettare l'ambiente. Un'altra differenza è che il MC fisserà i limiti per i paesi in via di sviluppo l'utilizzo dell'atmosfera.
UNP: Cioè, si può inquinare. Qual è il significato?
GC: I paesi dell'America Latina, dell'Africa e dell'Asia devono essere sviluppate come hanno fatto i paesi ricchi è un loro diritto, vogliono anche uno sviluppo sostenibile che le emissioni più basse. Quindi, sostenere il protocollo di Kyoto. Tuttavia, i paesi poveri trovano più redditizio, guadagnare di più se non inquinano e invece hanno uno sviluppo pulito. La Yasuni, Ecuador, è un buon esempio. Ho aiutato con la scrittura di un capitolo. Quello che succede è che è solo l'interesse di un paese, mentre il mercato del carbonio e del protocollo di Kyoto, perché le leggi internazionali impongono obblighi agli Stati.
UNP: Con il potere degli Stati Uniti, quanto profondamente impegnato nella MC?
GC: In realtà, non avrebbe ratificato il Protocollo di Kyoto in quanto non di loro gradimento, ma il MC è un virus che ha ottenuto negli Stati Uniti. UU. e non può liberarsi di esso. Ora fate un profitto con questo mercato. Il 3 novembre un referendum in California ha votato contro la Proposition 23 (con cui ha cercato di annullare l'atto del Global Warming Solutions California - Global Warming Solutions Act). Con tale decisione è stata ufficializzata nel popolare MC lo stato più ricco dell'Unione.
UNP: Una critica è che in pratica il MC non richiede ai paesi industrializzati di ridurre le emissioni di gas serra.
GC: Può sembrare che stiamo lasciando che la paghino i ricchi per uccidere la nonna. Come potrebbe una funzione di società come questa? Nel corso della riunione di Copenaghen (2009) si prefiggono di creare un fondo di investimento per le imprese nei paesi ricchi che producono energia negativa di carbonio (senza agenti inquinanti) nei paesi in via di sviluppo. Molti diranno: ". Si tratta di dare più soldi ai ricchi" Io rispondo: ". Sì, ma sarà in grado di generare denaro extra processi puliti nei paesi poveri" Significa che la sporca essi contaminare costoso perché il diritto internazionale li penalizza, mentre il risultato più li pulite. E 'la logica del mercato del carbonio. Gli Stati Uniti hanno presentato la proposta come propria e che subito fu un successo clamoroso, ma ha accettato di visione capitalistica, guadagno, così dico che il virus MC è una doppia faccia. Vedono il volto di loro convenienza.
UNP: Colombia si sta dirigendo verso un paese in particolare l'industria, ma ci sono timori circa l'impatto sull'ambiente Come conciliare queste due aree e quale ruolo può giocare il MC?
GC: Come il mercato minerale è un buon affare, dimenticati di loro! Non è il modo di procedere ed entrare nel mercato internazionale, è una occupazione del secolo scorso che benefici solo a pochi e per il resto della popolazione porta solo un danno al danno ambientale che viene generato.
Ci sono cose che puoi fare Colombia, come ad esempio la creazione di un mercato di acqua simile a quella di carbonio, e utilizzare il Bogota Stock Exchange, che sta facendo molto bene, come strumento politico. Essi hanno anche per entrare nel mercato dei biocarburanti, ma attenzione non, mais, canna da zucchero o palma da olio 'nou!, Nou!, Nou!', Ma della alghe, che sono buoni assorbitori di CO2 (anidride carbonica) e di crescere come un matto.

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Graciela Chichilnisky, criador do conceito de mercados de carbono e pesquisador da Universidade de Columbia (EUA). - Holguin Victor Manuel / Unimedios
Graciela Chichilnisky, criador do conceito de mercados de carbono e pesquisador da Universidade de Columbia (EUA). - Holguin Victor Manuel / Unimedios
Índios Huaorani do Equador, sabe que debaixo dos seus pés é 846 milhões de barris de petróleo
Índios Huaorani do Equador, sabe que debaixo dos seus pés é 846 milhões de barris de petróleo
"Deixe os minerais onde eles estão, a economia não servir o seu país"
Por: Carlos Guzmán Patiño Andrey, Unimedios
Ele diz que o criador do Mercado de Carbono, Graciela Chichilnisky, que convidou o governo colombiano, o setor privado e até mesmo a Bolsa de Valores de Bogotá, você tirar o máximo proveito da biodiversidade do país, mas não destruí-la em uma economia extrativista, mas fazendo o mundo vai pagar à Colômbia para preservar este património natural.
Se um país decide deixar 20% das reservas de petróleo enterrados e preservados para a humanidade um valor inestimável, como a selva amazônica, uh! Parece uma ilusão de uma sociedade sedenta por combustíveis fósseis.
A verdade é que ele aposta no próprio Equador esse sonho e hoje está dizendo que os países ricos do mundo: "Eles têm que nos pagar para cuidar das florestas enormes que limpar a poluição que produzem dióxido de carbono.
Assim, com o Yasuni, no Equador é um pioneiro na criação de uma fórmula que privilegia a protecção do ambiente na exploração de petróleo: ele comprometeu-se a paragem de metro 856,000 milhões de barris de petróleo no parque nacional de mesmo nome.
Graciela Chichilnisky diz que este é o melhor exemplo de como o mercado de carbono (MC), um mecanismo criado por ela 18 anos para reduzir as emissões para o ambiente e é uma parte essencial do Protocolo de Quioto sobre alterações climáticas.
Durante seu mandato com a Universidade Nacional da Colômbia, durante a reunião de Economia Ecológica, o especialista da Unesco e professor da Universidade de Columbia, enviou uma mensagem que, literalmente, gritou para os dirigentes nacionais: "Deixe os minerais onde eles estão, enterraditos , essa economia não serve Colômbia ".
Em contrapartida, convidou os setores produtivos do país e do Governo de usar o MC e usar os lucros que podem resultar da conservação da biodiversidade. Um jornal falou com o perito da Argentina.
Um jornalista: "O MC tem ajudado a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa?
Graciela Chichilnisky, a poluição diminuiu na Europa, porque não é um MC que se move EUA $ 165 bilhões, e também enviou US $ 50 bilhões para países em desenvolvimento para gerar projetos de energia limpa. Sim está funcionando, mas não todo o mundo, porque é fora dos Estados Unidos, o maior poluidor do planeta.
UNP: O que há de errado com a América?
GC: Eles assinaram porque eles acreditavam que era emitido apenas para pagar a gasolina e agora, mas o MC é mais complexo do que isso. Eles perceberam que eles estavam criando sérios compromissos de redução. Eles não podem puxar para trás e ir contra a lógica do mercado, conceito central na mentalidade americana, pois seria negar o fato de que o mercado se move como um sistema. O que acontece é que o MC funciona de forma diferente.
UNP: Qual é a diferença entre um mercado de carbono e um comum?
GC: A MC afirma que nenhum direito de propriedade sobre a atmosfera, porque é um bem público global. Isso significa que você crie limites das emissões de gases com efeito de estufa, e um país pode usar a atmosfera apenas um ponto, porque as outras nações também é necessário. Em contrapartida, um mercado comum se os direitos de propriedade, como a terra. O MC existe como obrigar os países a respeitar o meio ambiente. Outra diferença é que o MC irá estabelecer limites para os países em desenvolvimento sobre a utilização da atmosfera.
UNP: Isto é, eles podem poluir. Qual é o significado?
GC: Os países da América Latina, África e Ásia devem ser desenvolvidas como fizeram os países ricos é seu direito, eles também querem um desenvolvimento sustentável que diminuir as emissões. Assim, o apoio ao Protocolo de Quioto. No entanto, os países pobres acham mais lucrativo, ganhar mais, se eles não poluem e sim ter um desenvolvimento limpo. O Yasuni, no Equador, é um bom exemplo. Eu ajudei com a escrita de um capítulo. O que acontece é que ele é apenas o interesse de um país, enquanto o mercado de carbono eo Protocolo de Quioto, porque as leis internacionais criam obrigações para os Estados.
UNP: Com o poder dos Estados Unidos, o quão profundamente comprometidos com o MC?
GC: Na verdade, eles não iriam ratificar o Protocolo de Kyoto, porque não lhes convém, mas o MC é um vírus que tem para os EUA. UU. e não consegue se livrar dela. Agora lucrar com este mercado. Em 3 de Novembro um referendo na Califórnia votou contra a Proposition 23 (por que procurou anular o Global Warming Solutions Act da Califórnia - Global Warming Solutions Act). Com essa decisão foi oficializada MC popular no estado mais rico da União Europeia.
UNP: Uma das críticas é que, na prática, o MC não exigem que os países industrializados a reduzir as emissões de gases de efeito estufa.
GC: Pode parecer que estamos deixando os ricos pagam para matar a avó. Como poderia uma função da sociedade como esta? Na reunião de Copenhaga (2009) se propôs a criar um fundo de investimento para empresas de países ricos que produzem energia de carbono negativo (sem contaminantes) nos países em desenvolvimento. Muitos dirão: ". É dar mais dinheiro aos ricos" Eu respondo: ". Sim, mas será o dinheiro extra que vai gerar processos mais limpos em países pobres" Significa que a sujidade contamine caro, porque o direito internacional penaliza-los, enquanto os mais lucro vai limpá-los. É a lógica do mercado de carbono. Os Estados Unidos apresentou a proposta como o seu próprio e imediatamente foi um sucesso retumbante, mas aceitou a partir da visão capitalista, ganhar, então eu digo que o vírus da MC é uma dupla face. Eles vêem o rosto que mais lhes convier.
UNP: Colômbia é destinado a ser um país, principalmente de mineração, mas há temores sobre o impacto sobre o meio ambiente Como conciliar estas duas áreas e que papel pode desempenhar o MC?
GC: Como o mercado mineral é um bom negócio, esquecê-los! Não é o caminho a seguir e entrar no mercado internacional, é uma ocupação do século passado, que só beneficia alguns e para o resto da população só traz prejuízos para os danos ambientais gerados.
Existem coisas que você pode fazer na Colômbia, como a criação de um mercado de água semelhante ao de carbono, e usar a Bolsa de Valores de Bogotá, que está fazendo muito bem, como uma ferramenta política. Eles também têm de entrar no mercado de biocombustíveis, mas cuidado, não de óleo de milho, cana de açúcar ou de palma, "nou!, Nou!, Nou! ', Mas do algas, que são bons absorvedores são CO2 (dióxido de carbono) e crescer como um louco.